eXTReMe Tracker

14 de fevereiro de 2010

Trans-missões

Donzela de cristal

Hippie suja

Tudo contém

Dias sensíveis

O banho dura, interminável

Água quente na cútis fina

Que prazer poder, cuspir na rua

Mente suja que faz parte da alma clareando

Entorpecente, dor de cabeça aguda

Carnaval dentro de mim, lá fora, nem um pingo de vontades

Cante, canse, soque, se fira, se interfira

Mexo me remexo, quieta, estou parada

A lei está aguçada

Fenômenos na minha física

6 de fevereiro de 2010

Fazer é acontecer

O corpo se viu cansado

Remediando dores e arrastado

O dia pede ajuda

Acuda

Se parar tudo absorve

Sem parar de parar

Locomoção confusa

Há uma alma dentro desse corpo

Muito dói no corpo

Tensão e orifícios cruzados

Mudar, vagar, ousar

Lúcia, Kátia e Flávia

Andam sozinhas na noite

Marcos que bate punheta pra Chico

Gozam da solidão das meninas

Algumas tristes

Outras mais

Algumas sabem

Outras menos

O corpo ainda dói

A alma ainda é vadia

A mente já deu descanso

As meninas andam sozinhas

Se querem

Se inter(ferem)

Clara

A cultura de dormir

De pessoas perecíveis

Acultura vã...

A cachoeira molha

A corda que é trepadeira

Trapézio que não é fixo

Meus 18 anos tão esperados

Uma foto que foi tirada antes de então do que seria a minha escolha pela liberdade

Hoje, na cozinha, no meio de baratas e limpeza essa foto ressurgiu e entendi que trilho esse caminho

Saindo de mim...


¨Esse quadro é o meu preferido¨


Opa, ¨saindo de mim¨...


Vejo força e transpira uma inteligência calada

Vou pintá-lo no meu estilo

Sem esquecer da paz e segmento que respira o ¨original¨

Só coisa boa e, as crises continuam continuamente para os que estão em órbita

É momento de mudanças...

Não tenha medo, meu bem e ¨Não se afobe não que nada é pra já...¨

Quisera eu estar assim...

Presente a cada segundo de minha existência

Exploro, valoro e identifico tudo isso ao máximo, porque se hoje subi, amanhã vem queda...Pode ser hoje mesmo ainda...Sinto como sentir.

O planeta ¨enruiveceu¨ ficou quente quente e dilatou...

Depois disso, muito muito depois disso, adquiriu um tom salmão até ficar branquinho, cristal.

Paz, é aqui que estou, é mais ainda onde sempre quero estar.

3 de fevereiro de 2010

Remetente

Fumando pelas ruas como ele fazia…¨Crazy ¨...


A voz dela me traga:

¨Deixa de ser ridícula e fuma que nem gente!¨


Mas meu, não! Estou fadada a ser um Bob Dylan ¨versão feminina¨, esse charme está no meu caráter, esse charme meio masculino, e aliás, o sabor do tabaco é tão mais gostoso quando apertado entre o indicador e o dedão...


Olha só, escorre sangue do meu dedo e nem ligo, aliás, aprecio esse vazamento vivo, já secou.


Balde de café e energético apavorando o meu coração.


É tal efeito como:

Dar pauladas no lombo de porco para romper as fibras...


Fulgáz, o coração.


Pronto pra parar, me parece que podem apertar o ¨reset¨ a qualquer instante.


E se puder começar de novo, não sei se eu quero.


¨Dejá vú¨


Qual é a profissão de hoje à noite?


Hoje, sou ¨bartender¨


E se riem de mim, tudo o que me ocorre é que aquela cagada mole que escorregou da bunda do breaco no beco escuro, quando se juntou com o vômito do próprio, vale mais do que risadinhas subordinadas.


Livre de pré-julgamentos, sem mesclar a cultura das coisas, das pessoas, do contexto, digo:


- Um arroto (Ação)


Sigo acreditando que posso fazer tudo, tudinho. Mas não adianta tudo querer... Oligarquia anárquica!


Soa a procedência da formação do sentido das palavras...?

Auto-filologia.

Estão, as palavras, lançadas no abismo que se expande em desconstruir.


Não, não quero me comunicar, estou no meu momento autista e caso alguém me escute falando, me refiro as minhas outras personalidades, ou, essas se referem a mim.


Não tenho competência nem vontade de dirigir nada nem ninguém...AFE, NÃO QUERO ISSO.


Caminhos, ¨caminha¨ agora te dou um valor danado, como dou a muitas outras coisas que não tenho quando quero.


¨É dura a vida de...¨

Eu dizia e antes de terminar ele falou:


- Espera 10 anos mais...


Não acredito no que ele acredita e, minha sentença inteira era:


¨É dura a vida de imigrante¨.


E não estava falando sério...Não para mim.

Não gosto de competições.