eXTReMe Tracker

22 de fevereiro de 2011

Amor e travessão

Nas buzinas do amanhecer
Na calada noite

O galo canta em hora avessa
- Arranho o céu -
Ele te espera!

Cumpadi de outrora
A Ela, glória!

Um amor desses que nem o amor explica
Uma explicação dessa, como a sucinta

Te (e)levo em todo o meu viajar
Onde a distância nunca entrará

14 de fevereiro de 2011

Varejo na carne

- Me oprima mais um pouco.
Sorri molhando o rosto de sal.

Ela diz... "És assim, muito intensa, não busque explicação".

Numa anunciação simples e amena, as gotículas de água chegaram cantando macio, fino, leve...a luz se mostrou no horizonte. Trovejou ríspido e cru.

Abriu a gaveta: Dor se fez.

Há meia história sem fechadura - a noite ela perdura - perdão.

Se as suas paredes falassem, elas gemeriam...
Segredo eterno de uma mente sem lembranças.

A gaveta fecha em ressalva (...)

...o vento ainda sopra, a explosão se cansa do próprio consumo.

Choque em pele quente, úmida, exalando o gostinho do mar

num encontro fresco de rio em calcário.

Deixe tudo se le(a)var.

Nasci pra sentir esse vento,
me reviro nos teus versos avessos.

10 de fevereiro de 2011

Bruto teor do querer

Eu
Quero copia-la
Ser-la
Respirar-la

Ela corre
E para
Vem
Me massacra

Me ara
Entorpece
Derrama-se em meus poros, entupidos, em chamas
Clama um adeus sóbrio e corrompido

Devassa

Esculpe no meu corpo
A minha destreza

Sua

4 de fevereiro de 2011

Bailarinar

Preciso abafar sentimentos
Superar toda essa emoção
Afiar todo pensamento
Vazão, vazão

Explodir, encarnar
Enquanto a carne sucumbe ao pó
Poeira escorre no ribeirão...

Gentil estrela, perdão.

Meus braços enroscam nas pernas, feto
O queixo e o calcanhar estão cênicos, foi-se

"Estou dançando"!!!
Atmosfera numa tela táctil
Onde sonhar é preciso e viver é.